Fique Bem Informado acesse o Blog do Beto

ÁUDIO DESCRIÇÃO DO BLOG DO BETO: VOCÊ QUE TEM PROBLEMA VISUAL CLIQUE AQUI EM BAIXO:

terça-feira, 18 de setembro de 2018

18/09/2018 - Deus é Fiel !!!!

Leitor que está com celular Click Aqui para ler as notícias atualizadas do Blog do Beto.


Bairro Reservado Dois, fazem Protesto com cartazes sobre a Falta d’água, e o Sub-50 protesta a falta de Iluminação Pública, na Câmara de Vereadores de Santa Maria do Oeste. Veja as Fotos:



Ontem dia 17/09/2018, moradores do Bairro Reservado Dois, fazem Protesto com cartazes sobre a Falta d’água. Sendo que os Vereadores Marcio Stoski, Arlete Latzuk e José Valdivino Gomes, Defenderam e pediram que seja tomadas as Devidas Providências de modo urgente, visto a situação critica daqueles moradores que vivem sem água.

O Vereador Marcio, dirigiu a palavra ao Prefeito que estava presente pedindo que ele se comovesse com a situação daquele povo, pedindo que o executivo abrisse uma licitação, de emergência para a construção de um poço artesiano naquela localidade.

O Vereador Aguinaldo apresentou um Oficio de resposta da Sanepar, em Resposta a cobrança feita pelo executivo sobre a água daquela localidade, resposta está de março deste ano. Sendo que ele concorda que precisa ser tomada alguma providência, de imediato.

Sendo que a população aplaudiu as falas dos vereadores, Marcio Stoski, Arlete Latzuk, José Valdivino Gomes e Aguinaldo Paz de Moura.

Após a sessão, o Prefeito José Reinoldo Oliveira, conversou com os moradores dos dois Bairros, dizendo, que no Sub-50, foi aberta uma licitação de 85 mil reais para compra de materiais elétricos, ao qual o Bairro seria Beneficiado.

Referente ao Bairro do Reservado Dois explicou das dificuldades financeiras que passa a Prefeitura por conta de dividas, que ele está pagando, mas se comprometeu de estudar uma forma, de amenizar o problema de imediato da comunidade, até a sanepar solucionar o problema.


O Blog do Beto se compromete em acompanhar o desfecho, desta situação envolvendo estes dois bairros, e contar o final desta situação toda a População Santa-mariense.  









Fonte e Fotos: Blog do Beto por Roberto Gonzaga Nusa.



Vizinhos escutam 15 tiros e encontram pessoa morta na rua.

(Foto: Ricardo Pereira/ Rede Massa) - Vizinhos escutam 15 tiros e encontram pessoa morta na rua

Uma pessoa morreu ao ser atingida por pelo menos sete tiros no fim da tarde desta segunda-feira (17), na frente de um bar localizado no bairro Sítio Cercado, em Curitiba. Testemunhas relataram ter ouvido pelo menos 15 disparos.

A Polícia Militar (PM) informou que o homicídio aconteceu na Rua Ourizona, e que duas pessoas correram para dentro do estabelecimento no momento do crime.

Ainda não há informação sobre a motivação e o número de pessoas envolvidas no homicídio. O corpo será recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML).

Atualização

De acordo com informações da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a vítima se trata de um homem, de aproximadamente 30 anos. De acordo com o relato de testemunhas para a polícia, a vítima teria ido ao banheiro e, ao retornar, foi surpreendida por dois suspeitos, que chegaram de repente no estabelecimento. A dupla atirou contra o homem, que foi atingido por oito disparos de arma de fogo de calibre 8 mm. Até o momento, a motivação e identidade dos autores do crime são desconhecidas. 

Fonte: Rede Massa.



Mulher é baleada durante assalto a veículo.

(Foto: Pixabay) - Mulher é baleada durante assalto a veículo

Uma mulher, de aproximadamente 50 anos, foi baleada na noite desta segunda-feira (17) durante um assalto registrado na Rua Cidade Gaúcha, no bairro Fazendinha, em Curitiba. A situação foi registrada por volta das 19h15.  

De acordo com a Polícia Militar, a vítima foi atingida por disparos de arma de fogo no tórax e no braço e teve o carro roubado pelos suspeitos. Os homens fugiram e não foram localizados até o momento.

A mulher foi socorrida pelo Siate e está sendo atendida.

Atualização 
De acordo com a Polícia Militar, a mulher foi socorrida em estado grave e encaminhada para o Hospital do Trabalhador. 

Fonte: Massa News.


Apresentador de TV é preso suspeito de assassinato; vítima foi baleada e atropelada.

(Foto: Divulgação/ Polícia Civil)  - Apresentador de TV é preso suspeito de assassinato

Um apresentador de televisão a cabo de Ponta Grossa foi preso nesta segunda-feira (17), acusado de matar Gaby Scheiffer. A Seção de Homicídios da 13ª Subdivisão Policial cumpriu o mandado de busca e apreensão e de prisão temporária durante a manhã.

O acusado é travesti e teria sido visto obrigando a vítima, também travesti, a entrar em seu veículo no dia 23 de junho deste ano, antes de Gaby ter sido encontrada morta às margens da BR-373, na altura do Km 165, entre Castro e Ponta Grossa.

De acordo com as investigações, a vítima foi baleada por dois disparos de arma de fogo e atropelada na rodovia enquanto tentava pedir socorro.

Fonte: Polícia Civil.


Gari é assassinado a tiros no sofá de casa.

(Foto: Júlio César Alves/ Rádio Ampére)  - Gari é assassinado a tiros no sofá de casa

Um homem foi assassinado a tiros, no bairro Água Verde, em Ampére. A vítima trabalhava como gari na Prefeitura da cidade e já tinha sido presa por tráfico de drogas.

A Polícia Civil investiga se a morte tem ligação com o tráfico. O homem foi baleado na cabeça, enquanto estava deitado no sofá de sua residência. O corpo foi localizado por um sobrinho da vítima, que acionou a polícia.

Fonte: Matheus Viana/ Rede Massa


Adolescente é apreendido com drogas e faca em sala de aula.

(Foto: Reprodução/Rivaldo Saruê) - Adolescente é apreendido com drogas e faca em sala de aula

Um adolescente de 16 anos foi apreendido na escola em que estuda, em Araruna, na tarde desta segunda-feira (17). Ele estava com cerca de 40 gramas de maconha e uma faca na bolsa. 

A pedagoga da escola acionou a Polícia Militar (PM) depois de encontrar uma bolsinha com os objetos que o adolescente derrubou em sala de aula. A droga estava dividida em quatro papelotes, prontos para venda. A PM informou que o jovem já foi apreendido outras vezes – em um dos casos, por distribuir dinheiro falso pela cidade. 

Ele foi encaminhado à delegacia de Peabiru e está à disposição da Justiça.

Fonte: Tá Sabendo.


Jovem morre em acidente na PR-151 após mãe sofrer mal súbito e perder controle de veículo.



Uma jovem, de 20 anos, morreu após uma colisão na PR-170, em Guarapuava. A mãe da vítima conduzia o veículo, quando teve um mal súbito e perdeu o controle da direção em uma curva da rodovia. A motorista perdeu o controle do carro, capotou e bateu em outro automóvel.

Além das duas ocupantes, uma adolescente, de 14 anos, que também é filha da motorista, ficou ferida. O Corpo de Bombeiros foi acionado, socorreu as vítimas e encaminhou ao Hospital São Vicente.

A jovem, 20 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu. Ainda não há informações sobre o estado de saúde das outras ocupantes.

Fonte: RSN


Uma criança morre a cada cinco segundos no mundo, alerta OMS.

Imagem relacionada

Um informe produzido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo Banco Mundial e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef, na sigla em inglês) aponta que, apesar dos avanços importantes nos últimos 25 anos no combate à pobreza, a morte de crianças continua em níveis "inaceitáveis". A cada cinco segundos, uma criança de menos de 15 anos não sobrevive a doenças, violência ou acidentes no mundo. Em 2017, 6,3 milhões morreram e, segundo o levantamento, a maioria delas poderia ter sido salva. De acordo com as agências, desse total de mortes, 5,4 milhões delas ocorreram com crianças de menos de 5 anos. No Brasil, as entidades também apontam para uma estagnação nos avanços para evitar as mortes neonatais no Brasil entre 2016 e 2017. Em 1990, o País registrou 96 mil mortes. Mas o volume caiu para apenas 23 mil em 2016, com um dos maiores avanços entre os países emergentes. No ano passado, o total era de 25 mil. Proporcionalmente, a taxa também registrou uma pequena alta. Em 1990, o índice era de 26 mortes para cada mil nascimentos. Em 2016, essa taxa era de apenas oito para cada mil. Um ano depois, esse número era de nove mortes para cada mil nascimentos. No que se refere às mortes de crianças de menos de 5 anos, a queda também perdeu força. Em 1990, 64 crianças para cada mil nascimento morriam no Brasil antes dos 5 anos. Em 2016, a taxa caiu para apenas 15 a cada mil. Isso significou uma queda de 240 mil mortes em 1990 para apenas 45 mil em 2016. Em 2017, a taxa permaneceu inalterada. Apesar de os números representarem um desafio para a comunidade internacional, as agências admitem que a queda na mortalidade em 30 anos foi substancial em todo o mundo. Em 1990, 12,6 milhões de crianças com menos de 5 anos morriam anualmente. Em 2017, essa taxa foi de 5,4 milhões. Entre as crianças de 5 a 14 anos, o volume caiu de 1,7 milhão para menos de 1 milhão. Para as agências, os avanços precisam ser mantidos. "Sem uma ação urgente, 56 milhões de crianças vão morrer até 2030", disse Laurence Chandy, diretora de Pesquisa da Unicef. "Fizemos enormes progressos para salvar crianças desde 1990. Mas milhões ainda estão morrendo por quem são e onde nasceram." "Soluções médicas fáceis, água limpa, eletricidade e vacinas podem mudar a vida de muita gente", afirmou Laurence. Metade das mortes em 2017 ocorreu na África Subsaariana. As disparidades com os países ricos ainda são profundas. Na Europa, por exemplo, uma em cada 185 crianças com menos de 5 anos morre. Na África, a morte afeta uma a cada 13. Um recém-nascido na África ou no Sudeste Asiático tem nove vezes mais chance de morrer em seu primeiro mês de vida do que uma criança no país rico. Mesmo dentro de países, a disparidade preocupa. De acordo com o estudo, uma criança da zona rural tem 50% a mais de chance de morrer do que aquelas em zonas urbanas. Filhos nascidos de mães não educadas têm ainda duas vezes mais chance de não chegar aos 5 anos que aqueles com mães com um nível de escolaridade equivalente ao ensino médio.

Fonte: Estadão Conteúdo


Pelo 2º ano, Unesp diz não ter dinheiro para pagar 13º salário de funcionários.

Imagem relacionada

Parte dos servidores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) pode ficar sem receber o 13º salário neste ano, pela segunda vez. A instituição divulgou um comunicado interno aos funcionários alegando dificuldades orçamentárias. O texto, de título "Comunicado sobre a situação orçamentária e financeira atual da Unesp", obtido pela reportagem, é assinado pelo reitor Sandro Roberto Valentini e aponta um quadro de desequilíbrio financeiro da instituição. No ano passado, conforme o jornal O Estado de S. Paulo revelou, a Unesp fechou o ano com um déficit de R$ 164 milhões. O 13º de todos os servidores autárquicos, ativos e aposentados, foi pago somente neste ano, em duas parcelas. A universidade tenta pressionar o governo Márcio França (PSB) para obter uma suplementação no orçamento e evitar o problema. Os estatutários, que podem ser prejudicados, são maioria na instituição. Há cerca de 2,1 mil professores ativos e 2 mil aposentados na expectativa sobre o recebimento do 13.º salário. Entre os técnicos, há 4 mil ativos e 4,4 mil aposentados. "Desde o semestre passado, temos feito reuniões com o atual Governador Márcio França e suas secretarias de Governo, com o propósito de explicitar a gravidade da situação e ausência de recursos orçamentários e financeiros para o pagamento do 13º salário de 2018. A nova equipe de governo, ao contrário da anterior, já demonstrou maior sensibilidade à questão e está buscando formas que permitam à Unesp honrar com esse pagamento ainda no exercício de 2018. Entretanto, caso a suplementação não se confirme, à semelhança do ano passado, o 13º salário dos servidores estatutários (ativos e aposentados) deverá ser regularizado no ano de 2019", diz o texto. A gestão de Valentini diz que assumiu a universidade com um orçamento, aprovado em 2016, com apenas doze folhas de pagamento, sendo parte de uma delas financiada com receita própria. "Dessa forma, durante praticamente todo o ano de 2017, foram feitas várias iniciativas para sensibilizar o governo do Estado com relação à insuficiência orçamentária e financeira da Unesp e para solicitar crédito suplementar para o referido exercício." Um dos motivos alegados para o não pagamento deste ano é que o déficit de 2017 se tornou uma bola de neve. "O orçamento de 2018 voltou a ter apenas doze folhas de pessoal e reflexos, sendo uma delas financiada com receita própria. Além disso, a reserva financeira atual é inferior ao valor do décimo terceiro deste ano, situação diferente daquela do ano passado, que permitiu honrar o seu pagamento, em duas parcelas no ano de 2018. Portanto, o problema que era somente orçamentário no ano passado, passou a ser orçamentário e financeiro neste ano." "A reitoria diz que não tem caixa para pagamento, mas nós acreditamos que tem. A arrecadação do ICMS neste ano, segundo o próprio governo do Estado, deve ser maior do que em 2017. O discurso da reitoria é sempre um discurso rebaixado", diz o presidente da Associação de Docentes da Unesp, João Chaves. Em nota, a Unesp afirmou que tem relatado de forma transparente à comunidade o seu desequilíbrio orçamentário e financeiro, tanto nas reuniões do Conselho Universitário, quanto por meio de informes periódicos. Lembrou ainda que tem feito discussões internas sobre a sustentabilidade da universidade e das propostas de reformas administrativa e acadêmica. Já o governo do Estado informa que a solicitação apresentada pela universidade já está em análise. "O Estado reconhece a importância de todo o trabalho desenvolvido pela Unesp e permanece aberto ao diálogo com a reitoria da instituição." Críticas A falta de pagamento do 13º fez a reitoria da Unesp virar alvo de críticas interna de servidores. Conforme o Estado revelou em março, funcionários da reitoria que residem e trabalham em São Paulo, mas que são do interior, recebem diárias para trabalhar na capital, que no ano passado ultrapassaram R$ 2 milhões. Após a publicação da reportagem, o Ministério Público de Contas (MPC-SP) considerou esse tipo de pagamento irregular e agora pede, no Tribunal de Contas do Estado (TCE) a devolução desses valores aos cofres públicos. Parte desses funcionários também recebem bolsas de pesquisa que chegaram a R$ 2,4 milhões entre os anos de 2014 e 2016, segundo documentos obtidos pelo Estado.

Fonte: Estadão Conteúdo