Fique Bem Informado acesse o Blog do Beto

ÁUDIO DESCRIÇÃO DO BLOG DO BETO: VOCÊ QUE TEM PROBLEMA VISUAL CLIQUE AQUI EM BAIXO:

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Trechos da BR-277 voltam a ser fechados no Paraná em protesto de caminheiros.


   

Trechos da BR-277, no Paraná, voltaram a ser fechados na tarde desta sexta-feira (20) em protestos de caminhoneiros.
As manifestações começaram na quarta-feira em várias rodovias, principalmente no Paraná e no Mato Grosso, mas se intensificaram nesta sexta, com protestos também em pontos da BR-163 e BR-164.
Segundo a concessionária Ecocataratas, os dois sentidos da rodovia BR-277 no Km 667 em Medianeira foram fechados por caminhoneiros por volta das 14h30 e permanecem interditados. Automóveis e ônibus têm a passagem liberada, enquanto caminhões e carretas seguem paradas na rodovia.
Em outro trecho da BR-277, dessa vez no Km 338, no acesso secundário a Guarapuava, a passagem também está interrompida para caminhões. Pelo local passam apenas ônibus, carros leves e ambulâncias. As informações são da concessionária Caminhos do Paraná, responsável pelo trecho.
Informações sobre os protestos na rodovia podem ser acompanhadas pelos perfis no Twitter daEcocataratas Caminhos do Paraná.
Sudoeste
Caminhoneiros do sudoeste do Paraná bloquearam o tráfego no início da tarde de quinta-feira na PRC-280, no Trevo de Clevelândia. Com quilômetros de caminhões parados, somente ônibus, veículos de passeio e ambulâncias estavam sendo liberados.
Na manhã desta sexta, a mobilização aconteceu no Trevo de acesso a Mariópolis. Na BR-163 os bloqueios acontecem em Realeza e Santo Antonio do Sudoeste. A PR-471 em Nova Prata do Iguaçu também está parcialmente bloqueada.
Reivindicações
Os caminhões parados nos protestos nos últimos dois dias vinham sendo liberados para seguir viagem no horário do almoço e à noite.
As manifestações são contra os altos custos enfrentados pelo setor e os baixos valores recebidos pelos fretes para transporte de grãos.
Transportadores de Mato Grosso reclamam do preço do diesel, que sofreu reajuste em 1º de fevereiro após um aumento de impostos pelo governo federal, apertando as margens no frete.
Um dos pedidos é que o governo estadual reduza a alíquota de ICMS cobrado no diesel e force empresas que contratam frete a seguir uma tabela de preços mínimos, que cubra os custos.
Fonte : GAZETA DO POVO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.