Fique Bem Informado acesse o Blog do Beto

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Tomorrowland: cena brasileira sai fortalecida e festival será divisor de águas

Tomorrowland 2015

A primeira edição brasileira do festival Tomorrowland, que terminou no domingo (3), deve deixar um legado bem superior ao “piiii” no ouvido das 180 mil pessoas que passaram pelo Parque Maeda. Pelo menos desde o fim do Skol Beats, em 2008, o Brasil não recebia um festival tão gigantesco dedicado exclusivamente à música eletrônica.
É provável que muitos dos garotos e garotas que estiveram lá se contaminem pelo vírus da e-music, tornando-se consumidores e até mesmo DJs e produtores, levando o Brasil a um protagonismo na cena mundial.
Nomes como Marky, maior DJ brasileiro em todos os tempos, e Gui Boratto, produtor que é nome mais destacado da música eletrônica nacional hoje são pontos fora da curva. Há, claro, outras dezenas de top DJs, mas não há propriamente uma cena fortalecida. Ela sai maior do Tomorrowland e deve atrair mais atenção, mesmo para os que não se apresentaram em Itu.
O Brasil poderia ter um papel de proporcionar maior diversidade musical ao evento, um dos pontos baixos do festival, marcado pelo primor da organização belga, especialmente a qualidade da engenharia de som e o ambiente proporcionado pela iluminação e decoração.
É preciso também desafiar o ranço elitista e da gourmetização, dos que acham bonito pagar caro para se sentirem exclusivos, assim como reconhecer que o funk é a música eletrônica brasileira, que o rap é música eletrônica, que nem tudo é EDM e o tum tum tum tum do quatro por quatro,  o som de FM, de baixo nível técnico e artístico. A diversidade é algo que o produtor fluminense Omulu representou lindamente, inclusive com toques de cúmbia digital, um “cholismo” que deixou gringos e brasileiros enlouquecidos.
Transportar o Tomorrowland de Boom, cidade belga onde o evento ocorre originalmente, para Itu foi tão engenhoso como transportar as pirâmides do Egito para cá. Agora será preciso abrir a mão contrária, abrir a estrada de Itu para Boom. Algo que não ocorrerá por bondade, mas será resultado de muito suor. Que venham as crias da terra do amanhã.
Fonte: uol musica.